Livros

Passagem Para o Horizonte

Era uma provocação de um bom amigo: “Gonçalo, já seguiste os passos de Magalhães, já fizeste a Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, já repetiste a viagem do achamento das Ilhas das Especiarias. Quando é que fazes a tua viagem?” Este livro é a resposta que Gonçalo Cadilhe deu ao seu amigo, e a si próprio. Quando completou 40 anos, o autor arrancou para uma volta ao mundo de um ano que pretendia realizar um sonho antigo e reafirmar o sonho de vida que tem levado: viajar e escrever.

Seguindo levianamente um itinerário pelos cinco continentes baseado na localização das melhores ondas de surf do planeta, saltando da pobreza extrema da América Latina e da orla do Índico para o excesso de mordomias da Polinésia e da Califórnia, Gonçalo Cadilhe deixa-nos o relato de um périplo variado e original. A coincidência dos encontros, a importância da amizade, a lentidão da viagem, a reflexão sobre a passagem do tempo por todos nós e algumas pequenas verdades quotidianas sobre a felicidade e a natureza humana fluem em paralelo com a dinâmica da viagem independente e aventurosa de um mochileiro até destinos pouco percorridos pelo turismo de massa.

Um concentrado de mais de duas décadas a tratar as estradas do globo por tu.

Um Lugar Dentro de Nós

Se tu, leitor, tiveres tido a oportunidade de ler algum dos livros anteriores da minha “trilogia épica” — “Planisfério Pessoal”, “África Acima” e “Nos Passos de Magalhães” — terás notado que havia um objectivo declarado de partilha e cumplicidade. Eram viagens complicadas, por vezes perigosas, com pouca liberdade de transgressão do seu itinerário e por isso tudo eram viagens praticamente irrepetíveis. Daí, a ideia da partilha: “É pouco provável, leitor, que tu alguma vez faças estas viagens, mas não te inquietes porque eu já as fiz por ti”.

Pelo contrário, o objectivo de “Um Lugar dentro de Nós” é bem diferente. Com este livro encerro uma outra trilogia que se abriu com o “1 Km de Cada Vez” e que foi apurada tematicamente com o “Encontros Marcados”. Este ciclo tem como fio condutor a apresentação de histórias de viagem, mas não a sua partilha. “Um Lugar Dentro de Nós”, terceiro vértice desta trilogia, não pretende partilhar contigo as viagens dos outros (em que eu sou um dos outros); pretende inspirar-te com as viagens dos outros para que tu cumpras a tua.

Entrego-te o testemunho, chamo-te para o leme, é a tua vez agora, tens as pistas todas. Não sigas a minha viagem. Procura que a tua viagem surja dentro de ti.

Encontros Marcados

Quando se junta na mesma pessoa o viajante, o escritor e o supersticioso — daqueles que acreditam no destino mas só depois de ele ter acontecido — qual é o resultado?

Gonçalo Cadilhe revela agora os momentos marcantes que o ajudaram a definir a sua carreira de viajante, a sua vida de espírito livre e o mundo em que se move. São encontros marcados pelo e com os quais o autor nos surpreende numa colecção de textos luminosos, sobre tudo o que nos pode acontecer a viajar pelo mundo; ou em casa a ler sobre esse mundo; ou na vida, quando crescemos, e só mais tarde, ao olhar para trás, percebemos a marca que deixou.

Neste livro, Gonçalo Cadilhe repercorre lugares, livros, filmes, canções, pessoas e momentos que fizeram dele o ser humano — e o viajante — que é hoje. Um livro pessoal, inspirador e indispensável para todos os que gostam de viajar — pelo mundo e dentro de si próprios.”

O Mundo é Fácil

Este livro destina-se todos os que sonharam já em viajar mas nunca souberam por onde começar nem nunca foram encorajados a partir. Destina-se a tipos gregários que nunca encontram companhia para viajar, para que fiquem a saber que a melhor companhia é a que se arranja viajando.

Destina-se a mulheres independentes que irão descobrir que não precisam de um homem para nada se quiserem desaparecer pelo mundo durante uns tempos. Destina-se a pais cépticos ou preocupados por verem os filhos partir em viagem. Destina-se também a pais desesperados pela falta de maturidade dos filhos, que encontrarão aqui a melhor terapia de choque para os fazer crescer. E ainda, destina-se também a pais que partem em viagem deixando filhos invejosos e perplexos por os verem gozar a reforma com uma mochila às costas. Dos 7 aos 77 anos, nunca foi tão fácil viajar como agora. “O Mundo É Fácil” demonstra-o.