BIOGRAFIA

Gonçalo Cadilhe é um escritor de viagens. Nasceu na Figueira da Foz em 1968. Tem catorze livros publicados e assinou vários documentários de viagens e História para a RTP. Palestrante motivacional, percorre regularmente os auditórios culturais do país para falar sobre viagens, História e experiência de vida. Organiza e acompanha mini-tours pelo globo em colaboração com a agência Pinto Lopes Viagens.

REPORTAGENS E CRÓNICAS DE VIAGENS

Gonçalo Cadilhe publicou a sua primeira reportagem de viagens, dedicada ao México, no número de Fevereiro de 1992 da extinta revista Grande Reportagem, dirigida por Miguel Sousa Tavares.

Nos primeiros anos da sua carreira de “viajante profissional”, para complementar financeiramente as receitas das esporádicas colaborações em algumas revistas portuguesas, extremamente mal pagas como seria de esperar, exerceu também as seguintes actividades: músico da banda de Claudia Pastorino no night-club “Sapore di Mare”, na Riviera Italiana (Primavera / Verão 93); Vindimador no Médoc (chateau Lynch-Bages) e em Sauternes (Chateau Suduiraut) (outono 93); Operário não qualificado no estaleiro de iates Saint-Germain, em Lavagna, Itália (Inverno 94); Responsável de reservas hoteleiras na estância de ski de Madonna de Campiglio, Alpes Dolomites, Inverno 94-95; Empregado de mesa no famoso restaurante “Puny”, em Portofino, Itália (Primavera-Verão 95).

A partir de 1996 e ao longo dos anos seguintes dedicou-se exclusivamente à escrita de reportagens e crónicas de viagem. Colaborou, para além da já referida “Grande Reportagem”, com “Independente”,“Elle”, “Epicur”, “Blitz”, “Expresso”, “Visão” e “SurfPortugal”. Entre 2011 e 2012 assinou uma crónica semanal nas manhãs da Antena 1 na rúbrica “Este Tempo”.

– Em 2002-2004 a sua viagem de volta ao mundo sem usar transporte aéreo foi sendo publicada semanalmente ao longo de 19 meses nas páginas do Expresso, numa sequência de crónicas com o título “À Volta do Mundo por Terra e Mar”. Pela primeira vez a difusão global do email permitia seguir em tempo real a jornada do cronista viajante: a inovadora utilização da internet e o estilo informal e envolvente dos textos tornou o projeto de Gonçalo Cadilhe um case study de popularidade entre os leitores.

– Em 2011 alcança o primeiro lugar da primeira edição do Prémio Jornalismo de Viagens, do Clube dos Jornalistas.

http://www.casadaimprensa.pt/?p=1601

http://www.jornalistas.eu/?n=8928

LIVROS

Gonçalo Cadilhe é o mais reconhecido escritor de viagens português da actualidade. Publicou catorze livros de narrativa de viagem e três coffee-tables de fotografia. Os seus títulos somam dezenas de reedições. Várias das suas obras encontram-se incluídas na listagem do Plano Nacional de Leitura. Viagens, biografias históricas, surf e encontros de vida são os seus temas de eleição. Entre elas destacam-se:

– Planisfério Pessoal, 9ª ed. (1ª ed. 2005, Oficina do Livro, 9ª ed. 2017, Clube do Autor), onde recolhe as crónicas da sua viagem de 19 meses à volta do mundo sem recorrer ao transporte aéreo. Entre outros episódios, atravessa os oceanos em cargueiro, visita o Afeganistão, escala o monte Ararat, faz surf em El Salvador, sobe o Amazonas em balsa local, apanha boleia de iate para a Colômbia, faz trekking no Caminho Inca e não sabe se gosta mais das ruínas de Machu-Picchu ou dos templos de Angkor.

 

– África Acima, 9ª ed. (1ª ed. 2007, Oficina do Livro, 9ª ed. 2016), viagem por terra recorrendo a meios de transporte público locais e boleias de circunstância desde a Cidade Cabo até Tânger, ao longo de oito meses pelo Zimbabué, Angola, Congo, Gabão, etc… Dorme na berma das estradas, sobe o rio Níger em ferry local, é detido pela polícia secreta em Harare, viaja de cargueiro de Luanda para Cabinda, pasma nas cataratas de Victoria, fica atascado no Saara durante o Ramadão. África Acima está incluído no Plano Nacional de Leitura.

– Nos Passos de Magalhães, 7ª ed. (1ª ed. Oficina do Livro, 2008; 7ª edição Clube do Autor, 2018). Gonçalo Cadilhe escreve a biografia do maior navegador português de todos os tempos nos lugares onde essa biografia decorreu. Da Patagónia às Filipinas, da África à Micronésia, de Lisboa às Ilhas das Especiarias, o autor repete a viagem do europeu que descobriu a metade desconhecida do mundo.

 

– 1 Km de Cada Vez, 8ª ed. (1ª ed. 2009, Oficina do Livro), conjunto de textos sobre vários lugares do planeta, visitados durante a terceira volta ao mundo do autor, reflecte uma abordagem mais profunda e comedida da viagem, com reflexões inusitadas sobre a vida, a identidade cultural dos povos, o passar dos anos no autor, as disparidades entre Norte e Sul, etc… Escrito em cinco continentes durante quinze meses, desde o México ao Sri Lanka, da Namíbia ao Nepal, do Havai às Galápagos, e dezenas de outros países, pensando em John Steinbeck, Charles Darwin, Jacques Brel, arquitectura colonial, a arte do vinho, a beat generation.

 

– O Mundo É Fácil – Aprenda a viajar com Gonçalo Cadilhe, 3ª ed, (1ª ed. 2010; Oficina do Livro; 3ª edição 2015, Clube do Autor), livro-manual para viajantes independentes onde Cadilhe partilha a experiência de 20 anos “on the road” com o leitor que sonha em partir. Em menos de um mês o livro alcança a segunda edição.

 

– Nos Passos de Santo António, 2ª Ed. (1ª ed. 2017, Clube do Autor), apresenta o conhecido santo lisboeta numa perspectiva laica e histórica, descobrindo-o como o primeiro grande viajante da História de Portugal. O Autor refaz a viagem que António efectuou desde Lisboa até Pádua, passando por Marrocos, Argélia, Sicília, Sul de França e outros territórios, contextualizando o acto de viajar no século XIII numa Europa ainda imersa em plena Idade Média. O livro alcança o top 5 nacional não ficção da Bertrand nas semanas que antecedem o Natal.

 

– O Esplendor do Mundo, 2ª ed Clube do Autor (1ª ed. Dez 2017). Listagem dos 99 destinos e experiências de viagem mais marcantes da vida do autor, alguns consensuais; outros, inesperados. Profusamente ilustrado com fotografias de Gonçalo Cadilhe, o livro

alcança o 3º lugar do top da Bertrand durante as semanas que antecedem o Natal.

 

– Por Este Reino Acima (1ª ed. Junho 2020) No seu mais recente livro, Gonçalo Cadilhe recria com veia literária a viagem que um jovem Santo António terá feito no início do século XIII quando se mudou da Lisboa natal para Coimbra, a capital do reino. Quase certamente o futuro santo terá ido a pé. Cadilhe também foi. Oito dias de caminhada por bosques e planícies nas várias dimensões física, espiritual, e da redescoberta de um país maravilhoso para conhecer de mochila às costas.

SURF E LITERATURA

Gonçalo Cadilhe é um conhecido surfista no meio nacional, tendo marcado uma geração com os textos e colunas de opinião que publicou durante uma década na revista Surf Portugal. As suas viagens ligadas ao surf levaram-no a várias regiões do planeta em busca de ondas perfeitas, que encontrou, entre outros países, na Indonésia, Austrália, Havaí, Angola, Moçambique, Peru, Nova Zelândia, Tobago, Tahiti, África do Sul, etc…

No Princípio Estava o Mar – Surf, viagens e outras inquietudes, actualmente na 5ª edição (1ª ed. 2005, Primebooks; 5ª ed. 2014, Clube do Autor), recolhe textos inicialmente publicados na Surf Portugal. O humanismo e a diversidade de interesses e de perspectivas do autor permite que este livro seja um favorito não apenas entre surfistas mas junto de todos os que amam o mar, a viagem e o encontro com o Outro.

Passagem para o Horizonte (2ª ed. 2016, Clube do Autor), Em Maio de 2008, quando festejou os seus 40 anos, GC arrancou para uma volta ao mundo de celebração da sua entrada nos “enta”, visitando durante 12 meses as suas 12 ondas preferidas espalhadas pelo planeta. Dessa viagem resultou esta ode à procura mítica dos sonhos que nos assolam desde a adolescência com o final feliz de os tornar realidade.

DOCUMENTÁRIOS

Gonçalo Cadilhe tem assinado a autoria de variados documentários na RTP, no registo de viagem de mochileiro interessado profundamente na História e na cultura. A realização, escrita do guião e a apresentação são da responsabilidade de GC.

– A estreia do autor em televisão deu-se em 2006, quando foi convidado pela apresentadora Maria Elisa para apresentar o documentário sobre a vida do Infante d. Henrique, inserido no concurso “O Maior Português de Sempre”, ponto central das celebrações dos 50 anos da RTP.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Os_Grandes_Portugueses

 

– NOS PASSOS DE MAGALHÃES

O estilo desempoeirado e jovial de GC em frente às câmaras levou a um novo convite, agora das Produções Fictícias, para mais televisão. Cadilhe apresentou o projecto (em que já estava a trabalhar) de uma volta ao mundo seguindo a biografia de Fernão de Magalhães. Começava aqui o trabalho de autor de GC na área do documentário. Surgiu assim a série de 8 documentários “Nos Passos de Magalhães”, filmada em 2007 em vários países dos cinco continentes e apoiada nos depoimentos de alguns dos académicos mais preparados na vida de Magalhães e na epopeia dos Descobrimentos. Num feliz equilíbrio entre Travel + History, a série com 50’ de duração por episódio é emitida em Maio e Junho de 2008 na RTP2. Desde então tem sido regularmente reposta nos vários canais da RTP

http://www.rtp.pt/programa/episodios/tv/p23761

https://www.youtube.com/watch?v=TUOMbPBpzVw (episódio 8)

https://www.youtube.com/watch?v=nsdQl6FRMaY (excerto episódio1)

 

GEOGRAFIA DAS AMIZADES

Em 2009 GC filma um novo projecto para a RTP2, Geografia das Amizades, uma série de 10 episódios de 30’ cada onde em cada programa apresenta um amigo particular que vive numa latitude de sonho uma existência exótica para os portugueses. O guia de trekking do Nepal, a estilista indígena do México, o guia de surf da Indonésia, a milionária sul-africana, a freira filipina, são algumas das personagens que desfilam nesta série original.

http://www.rtp.pt/programa/tv/p26712 (grelha rtp)

 

– NOS PASSOS DE FERNÃO MENDES PINTO

Em 2010, durante as celebrações dos 500 anos do nascimento de Fernão Mendes Pinto, GC filma em vários países da Ásia episódios da Peregrinação. Tal como em Magalhães, volta a recorrer aos depoimentos de alguns dos académicos mais conceituados na obra e na vida de Mendes Pinto. Os 2 episódios, de 1 hora cada, de “Nos Passos de Fernão Mendes Pinto” passam na RTP2, em horário nobre, em 11 e 12 Dezembro 2010

https://vimeo.com/71414269 (episódio 1 integral)

https://www.facebook.com/rtpdois/videos/1479050820776/ (promo rtp2)

 

NAS ILHAS DAS ESPECIARIAS

Em 2012 celebram-se os 500 anos da chegada dos portugueses às Molucas, as míticas ilhas que detinham o monopólio natural da produção de cravinho e noz-moscada, os produtos mais ambicionados da Idade Média. Como afirma GC no documentário, as Molucas provocaram os Descobrimentos, o colonialismo, a globalização. Visitando ilhotas de difícil acesso hoje mas que no século XVI estavam no centro do mundo, GC assina mais um documentário de 1 hora onde a fórmula Travel + History resulta plenamente conseguida. A RTP1 transmite em horário nobre.

https://www.youtube.com/watch?v=4q5rEB3q4pw (doc. integral)

https://www.rtp.pt/programa/tv/p29682 (grelha rtp1)

https://vimeo.com/55959152 (entrevista na Praça da Alegria sobre o doc)

 

NOS PASSOS DE SANTO ANTÓNIO

A partir do seu livro homónimo, GC adapta em 2017, para um documentário de 1 hora, a viagem do primeiro grande viajante da História de Portugal para os tempos de hoje. Filmado em Espanha, Marrocos, França, Itália e Portugal, GC conduz-nos por uma biografia laica onde não falta bom rock n’ rol e muito espírito de backpacker a par com depoimentos académicos e vislumbres de uma Idade Média on the road. A RTP1 transmite em horário nobre, no dia 13 de Junho, naturalmente.

https://www.rtp.pt/play/p3590/nos-passos-de-santo-antonio

BIOGRAFIAS DE CONTRACAPA E BADANA


“Planisfério Pessoal” (Maio 2005)

Ao longo de uma deliciosa carreira que não o levou ainda a lado nenhum, para sua grande felicidade, exceto aos lugares mais remotos do planeta, continua a guiar a sua atividade literária pelo princípio sagrado de escrever para comer. E para pagar a próxima viagem. Ou a anterior, se ainda estiver com saldo negativo no banco. Para além do cansaço que lhe custou escrever este livro, também gosta de se cansar por um bom copo de vinho, uma guitarrada com amigos, o peso de um bom livro aberto e umas ondas de surf.


“África Acima” (Maio 2007)

…nunca usou relógio e vive como se cada minuto fosse mais importante que cada cêntimo.


“1 Km de Cada Vez” (Junho 2010)

Sem saber muito bem como se definir profissionalmente, reconhece no entanto um fio condutor a tudo o que faz na vida: o que quer que seja, é feito em viagem, pelos cantos mais espantosos do planeta.


“Encontros Marcados” (Julho 2011)

Em 2003-04 deu uma volta ao mundo sem aviões, em 2007 outra seguindo a rota de Fernão de Magalhães e em 2008, outra ainda para celebrar a sua entrada nos “enta”, seguindo as suas ondas de sonho. Quando lhe perguntam qual a melhor viagem que já fez, responde sempre: “a próxima”.


“Um Lugar Dentro de Nós” (Julho 2012)

Viajar pelo mundo e escrever sobre ele é a minha profissão. Sou um trabalhador dedicado e assíduo e em vinte anos nunca faltei um dia ao emprego. Tenho mais de 40 anos e amo Portugal — de preferência de longe e explicado a estrangeiros. Acredito no comboio, na bicicleta, no barco, na conversa, no copo de vinho e em outros meios de transporte que levam longe mas não têm pressa de chegar.
Nasci e cresci na Figueira da Foz, onde ainda hoje vivo com a minha mulher e o meu filho. Dito desta maneira, parece que nunca saí da minha cidade. Não é verdade, mas mesmo que fosse bastavam algumas das reflexões que deixo neste livro para que me sentisse plenamente feliz com as viagens que nunca fiz.


“Passagem Para o Horizonte” (Julho 2014)

Tenho mais de 40 anos e poucas certezas na vida — como tal, gosto de questionar tudo o que me parece seguro e adquirido. Também por isso viajo: dá-me distância e perspetiva para relativizar todas essas coisas que se dizem, do género, “a comida portuguesa é a melhor do mundo” ou “Deus escreve direito por linhas tortas”. Este não é o meu primeiro livro, nem de perto nem de longe. Talvez por isso insista tanto em desmitificar o glamour da viagem e a ideia romântica que se tem do viajante.

 

 “Por Este Reino Acima” (Junho 2020)

Embora se tenha licenciado em Gestão de Empresas em 1992, e tenha sido gestor de marketing durante alguns meses, a sua memória não conserva qualquer recordação desses eventos traumáticos na sua vida. Surfista dedicado e compenetrado homem de família, compreendeu nos seus quase trinta anos de viagens pelas nações da Terra que Portugal é o único país onde alguma vez lhe seria permitido tornar-se plenamente feliz. Nesta fase da sua vida, tem sido esse o seu principal investimento.